terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Dica de Filme O Preço do Amanhã

 


Para que você entenda este texto, eu preciso que você esqueça tudo o que aprendeu na escola sobre o fato de nós seres-humanos termos o seguinte ciclo de vida em comum: nascer, crescer, se reproduzir, envelhecer e morrer. Simplesmente esqueça toda essa teoria. Esqueceu? Esqueça também o modo como funciona os empregos, o consumo de bens e de alimentos no nosso mundo! Esqueceu isso também? Ok! Vamos ao próximo parágrafo.

Imagine agora que você nasceu em um mundo onde todos os seres humanos não envelhecem e nem adoecem. Neste mundo, a sua aparência de 25 anos de idade será a sua imagem imutável. Isso mesmo! As pessoas, a partir dos 25 anos de idade, não envelhecerão e continuarão com uma aparência jovem, que neste caso se refere a imagem de 25 anos. Eu sei que é reduntante ficar repetindo o termo “25 anos”, mas esse é um dos fatos que servem de base nesse mundo qe estou apresentando. Além de “congelar” na aparência, ao completar a referida idade, um relógio de controle do tempo de vida surge nos antebraços esquerdos de todas as pessoas. A partir desse momento todos ganham exatamente mais 1 (um) ano para viver. Isso mesmo! É só 1 (um) ano de vida. Quer saber o que acontece quando se passa esse tempo? Simplesmente a pessoa morre. A não ser que ela execute atividades em que o pagamento seja em tempo de vida. Na verdade, nesse mundo não existe dinheiro. Então se a pessoa arrumou um emprego, lhe pagarão com tempo. Ou seja, assim como no mundo real nós trabalhamos para ganhar dinheiro, nesse mundo trabalha-se para ganhar tempo de vida (segundos, minutos, horas, dias, semanas, meses e anos). Quanto menor for a remuneração do seu trabalho, menos tempo você viverá. Assim como nós usamos dinheiro para pagar aluguel, comprar materiais, comida e outros itens de necessidade (ou supérfluos), nesse mundo as pessoas usam o tempo de seus relógios de vida para fazer o mesmo. Enquanto no mundo real um almoço pode nos custar R$ 20,00, o mesmo almoço poderia custar 2 semanas da vida da pessoa no contexto mencionado.


Você está curioso para saber que mundo é esse onde as pessoas possuem um tempo de vida exposto no corpo? Estou falando do filme “O Preço do Amanhã” (In Time / 2011) escrito e dirigido por Andrew Niccol e com os seguintes atores no elenco principal: Justin Timberlake (Amizade Colorida), Amanda Seyfried (A Garota da Capa Vermelha), Cillian Murphy (A Origem) e Johnny Galecky (The Big Bang Theory). No filme, o tempo de vida virou a moeda corrente e a população é separada em zonas onde a quantidade de tempo por pessoas é limitada de acordo com o local onde vivem. Praticamente as pessoas não podem mudar de zona, pois o pedágio é quase o tempo total que as pessoas possuem para viver. Isso inibe a migração de de uma zona para outra, exceto para as pessoas ricas. Quanto mais pobre for a zona, menos tempo de vida as pessoas terão e quanto mais rica, será possível viver um maior tempo.

Na história Will Salas recebe um século de vida como presente de um estranho, cujo ele salvou a vida em briga de bar. O homem simplesmente lhe deu 116 anos de vida e se suicidou, deixando seu relógio chegar a zero enquanto estava sentado em uma ponte. Após isso, Salas resolve ir até a zona mais rica como forma de luto pela morte de sua mãe, que ocorreu em seus braços. Mas os Guardiões do Tempo, que são uma espécie de Receita Federal do tempo, começaram a rastreá-lo, por ser suspeito do assassinato do estranho que o presenteou. Não vou contar detalhes do filme, porque isso estragaria a intenção do diretor, que é surpreender o espectador (eu me surpreendi). Então, eu lhe aconselho ver o filme, pois o mesmo é cheio de ação e acontecimentos muito envolventes.

A teoria do roteiro se assemelha muito ao que ocorre no mundo real, onde existe um sistema de distribuição de renda que favorece as classes mais ricas e praticamente limita o acesso das classes mais pobres a uma qualidade de vida melhor. Simplesmente os pobres tem que morrer para que o mundo não fique superpovoado e ocasione uma escassez de recursos energéticos, de alimentação, etc. Nesse cenário, os mais ricos se beneficiam, pois são a elite dominante que usufrui da maioria dos recursos e criam estratégias econômicas para que o dinheiro que circule nas classes mais baixas tenha um limite. Enfim, ao ver o filme, você irá identificar muitas semelhanças entre a realidade e a ficção. Vale a pena conferir, pois o que mencionei acima não chega a 10% da história.

Antes de mostrar os trailers eu agradeço ao meu amigo João Marcelo pela dica de filme. E deixo uma pergunta para você que leu esse texto: o que você faria se tivesse apenas mais 1 dia de vida???

Assista abaixo dois trailers do filme.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva aqui o que você achou do Post! Por favor, respeite os princípios da boa educação! Grato!